terça-feira, 21 de agosto de 2007

INFORME JURÁSSICO
Nº 130
Segunda-feira, 20 de agosto de 2007
ANO
V


“A poesia é o transbordamento espontâneo de sentimentos intensos: tem a sua origem na emoção recordada num estado de tranqüilidade”
William Wordsworth, em “Lyrical Ballads”.

Aventuras nas Trilhas Poéticas de Poços de Caldas e Águas da Prata – 18 e 19 de agosto de 2007



Enquanto o seleto grupo jurássico liderado pelo, deixa ver... Ronaldo, fazia sua “Pontalete Full” e demais intrépidos faziam seus treinos pré-Aparecida VI, alguns escondidos, Luizão, ora com Luísa, ora com Carlinhos, seu irmão, percorria os “caminhos poéticos”, como gosta de dizer dom Luciano, o anfitrião, guia e mentor dos intrépidos pocenses.

Sábado, Luizão, Luísa Bomtempo e dom Luciano; domingo, Reginaldo Franchi, Paulo, Carlinhos, dom Luciano, Pedro, Reginaldo II e Luizão.
No sábado pela manhã, conforme combinado na véspera, dom Luciano levou o casal jurássico Luísa Bomtempo e Luizão para as trilhas que começam numa linha férrea desativada, seguem entre mineradoras, batatais, a Represa Bortolan, Mitsui Fertilizantes, fazendas e cafezais, em grandes altitudes, ora em Minas Gerais, ora em São Paulo, num total de 35 Km. Excelente treino para a Luísa, que pretende em novembro acompanhar as intrépidas no desafio Aparecida II. Este percurso, por suas características, seria comparado ao básico “Solúvel” varginhense. A bebemoração deste pedal ficou por conta do churrasco oferecido por colegas de trabalho do casal em Poços, um dos objetivos da viagem.
Os primeiros "versos" nas trilhas a partir do campus da PUC.
O pontilhão na linha férrea desativada; o "single" margeando a Represa Bortolan.
A estação "Bauxita" e os vagões carregados do minério, carga da Alcoa.
As medidas da estação e as cerejeiras plantadas pela Mitsui.
A florada temporã e a Luísa frente os ipês, belo colorido.
A vista da trilha e a Luísa num excelente momento.

No domingo, novamente liderados por dom Luciano, que conhece como ninguém a região, Luizão teve o prazer de pedalar com seu irmão, além dos intrépidos: Paulo, Reginaldo Francchi, Pedro e Reginaldo II, que serpentearam pelas montanhas a partir da faz. São Martinho, no caminho para São Sebastião da Boa Vista, em alguns pontos em altitudes acima dos 1.300 metros, incluindo um trecho do Caminho da Fé, que liga Poços de Caldas a Aparecida – SP, o qual será percorrido pelo entusiasmado anfitrião e outro parceiro a partir desta terça-feira, 21 de agosto. Próximo a Águas da Prata, o grupo retornou por trilha, numa longa subida até próximo à divisa estadual, e de lá, por asfalto até o centro de Poços, perfazendo um total de 60 km, diga-se de passagem, bem pedalados. No retorno, foram acompanhados do Ângelo, que voltava de um pedal solo até Águas da Prata. As paisagens naquelas altitudes são surpreendentes.
Luizão agradece aos amigos pocenses, em especial, a dom Luciano pelos pedais e pela excelente companhia.
Ah, sim, quanto à definição de “caminhos poéticos”, fica por conta das imagens.

A subida próximo à faz. São Martinho, já em São Paulo; a bike do Luizão descansando num trecho do Caminho da Fé.
O grupo no Caminho da Fé e o Carlinhos "socando a bota".
Numa certa curva do caminho, descida e muito cascalho.
Ao fundo, o caminho de volta, abaixo da linha férrea; Carlinhos e Reginaldo Franchi na longa subida da volta.
E dom Luciano, que se prepara para longa jornada, também "atacando forte"; ah, sim, a comemoração do pedal no Chili's, acompanhados do Cláudio, colega de labuta do Carlinhos de sua época de Rio de Janeiro.

Até a próxima.
Luiz A Nogueira

Carpe Diem

2 comentários:

Anônimo disse...

De fato, novo show de bola desse grupo jurássico, que já está com ramificações por outras cidades. A área de influência dos Bikessauros está aumentando cada vez mais...
Parabéns.

Rodrigo Silva

Anônimo disse...

Sem dúvida, um pedal poético!
Bravo, Luísa!!!

Ai, que saudade dessa terrinha...

:-)

Lucarol