domingo, 30 de março de 2008

VARGINHA - CARVALHOS - CACHOEIRA DA ESTIVA

Como já acontece há quatro anos, no feriado da semana santa os Bikessauros viajaram para Carvalhos, hospedando-se, mais uma vez, na Pousada da Estiva. Há três anos eu e o Hebert decidimos ir até lá não de carro, mas de bicicleta, e foi tão boa a idéia que no ano passado resolvemos reeditá-la com um grupo de cinco pessoas. Tradicional que se tornou, nesse ano, claro, iríamos de novo até lá da mesma forma. Por limitações impostas por trabalho, somente eu, Hebert e Rodrigo Caxambu estaríamos disponíveis para fazer a viagem. Combinamos, então, sair às seis horas da quinta-feira santa, vinte de março de 2008, do Hungry Tiger. O Hebert estava tão ansioso pela partida que, Infelizmente, acertou erradamente o despertador, pondo-o para acordá-lo às quinze para as seis. Nem é preciso dizer que mal teve tempo de pôr a roupa e nem tempo de tomar café teve.

Na hora da partida, no Hungry Tiger

Por volta das seis e quarenta e cinco saímos finalmente rumo a Carvalhos. A manhã estava clara e prometia muito calor, como é comum nessa época do ano, mas a claridade, entretanto, tornava mais belas ainda as já belas paisagens, agora atapetadas com um verde muito vivo. Tão logo chegamos na Fernão Dias, o Hebert sugeriu que nos fôssemos revesando no vácuo e trocando posições a cada 10 minutos, idéia que resolvemos implementar e que se mostrou excelente. Desde o início a estratégia possibilitou um maior rendimento e, com um ritmo forte e constante, fomos vencendo com rapidez a distância e nem vimos o tempo passar. Dessa forma, atingimos Caxambu em apenas 4 horas, a uma média de vinte e oito quilômetros e meio por hora. Àquela hora, o sol estava, claro, muito forte, e já era tempo de fazer uma parada. Como de costume, fizemos um pit stop no restaurante do trevo de Caxambu para um rápido lanche e reabastecimento. Sabíamos que o mais pesado estava ainda por vir, e combinamos manter o sistema de vácuo, mas num ritmo menos intenso.

O trio jurássico no restaurante do trevo

115,12km em 4 horas: 28,5 de média

Saímos novamente à estrada e, que nada, não era mesmo possível diminuir o ritmo; é que o entusiasmo nos compele a ir sempre o mais forte possível... Quando atingimos o trevo de Cruzília, o sol tornou-se ainda mais forte e começou a nos abrasar sem piedade. O calor e, provavelmente, a desidratação que já me atingia, fizeram-me começar a ter muita dificuldade para acompanhar os companheiros. Mesmo pedalando em pé, meu ritmo não era forte o suficiente! Foi, para mim, um grande sofrimento chegar até uma loja de conveniência que há em um posto a cerca de 500 metros antes do trevo de Aiuruoca. Lá, após galões de isotônico e carbohidratos, senti que sim, dava para continuar e bem. De fato, a partir dali, voltei a pedalar forte e pudemos fazer um pedal sensacional até Carvalhos, onde chegamos por volta de vinte para as três. Tínhamos pedalado 180,89km em 6h54min e ainda restavam cerca de 15km até a Pousada da Estiva, dessa vez totalmente por terra.

Na estrada, antes de Aiuruoca

No trevo de Carvalhos

Aferições feitas numa padaria no centro de Carvalhos

O fato de que estávamos usando pneus slick 2.0, a exemplo dos outros anos, não nos atrapalhou em nada seguir por terra até a Estiva. Assim que começamos essa última parte do trajeto, abolimos a estratégia de vácuo e fomos apreciando a paisagem fantástica que se vê por lá e já comemorando o sensacional pedal. Vencidas umas grandes pirambeiras que há pelo caminho, já quase chegando a pousada, fomos alcançados pelos primeiros sauros que chegavam de carro, e foi grande a festa.

Ao longe, a Cachoeira da Estiva

195,84km até o ponto final

Foto aérea da Pousada e Cachoeira da Estiva

Pouco adiante, finalmente alcançamos nosso destino ainda cheios de energia e, de cara, fomos tomar um banho na maravilhosa Cachoeira da Estiva, que dista uns cem metros da pousada, felizes da vida por mais um pedal sensacional que havia sido concluído. Muito ainda estava por vir, sabíamos, como o excelente pedal até Santo Antônio do Mirantão, com a obrigatória e sempre difícil transposição da Serra da Aparecida, além do trekking e escalada do Pico do Muquém; esse pedal teria sido somente uma parte, muito boa, é claro, de uma festa que, de fato, durou quatro dias...


Rodrigo Silva

* * *

sexta-feira, 28 de março de 2008

Patrocinadores 2008

Bikessauros e Bikessauras,
Informamos que já contamos com dois patrocinadores para nossos eventos durante o este ano de 2008.

RETIFICA REIS (Luizinho Reis) e

TRANSPORTADORA VARGINHA (Luciano Medes)

Agrademos a confiança destas duas empresas tradicionais e conceituadas de nossa cidade que ligam seus nomes aos Bikessauros demonstrando seu apoio a nossa proposta de cultivo ao esporte e a preservação ambiental e cultural.

Em breve estaremos divulgando os demais patrocinadores, que estão em negociação com os Bikessauros. Saudações,Ary

terça-feira, 18 de março de 2008

Bikelokos em Aparecida

Bom dia galera Jurássica!
Estou passando para informar que os Bikelokos mais uma vez estiveram aos pés de Nossa Senhora Aparecida vencendo 358 km entre Boa Esperança e o Santuário, pedalando, desta vez, por um caminho diferente: Quase o mesmo trajeto dos Bikessauros, porém, por asfalto.
Seguimos para Lambari, Jesuânia, Olimpio Noronha, Maria da Fé, Cristina, Itajubá, Wenceslau Brás, Piquete, Lorena, Guaratinguetá e Aparecida.
Até hoje, o caminho mais pesado que fizemos e para melhorar, debaixo de chuva uns 70% do percurso mas, como sempre,valeu a pena !!!
Fomos em um grupo de 17 pessoas: 2 no apoio e 15 pedalando, destes, 12 de Boê e 3 de Guapé.
Todos suportaram bem a missão apesar de alguns quase encarangarem na descida para Piquete com chuva e vento constantes e muito frio.
Abraços, Marcelino.

segunda-feira, 17 de março de 2008

Bikessauros nas competições - mtb centenário da UFLA





Bom dia amigos ontem participamos da corrida centenário da UFLA em Lavras. Fomos eu, bruno, salvador, enoque, junior (alfenas), rodriguinho entre outos atletas de Varginha.

Como era esperado circuito muito pesado devido as fortes chuvas. Com um pouco mais de 08 km por volta, um pouco de estradão algumas trilhas, onde devido ao barro só pedalamos nas que eram morro abaixo(esqui), o resto empurra bike. Na categoria master largamos em mais de vinte pois devido a intervenção fa FMC os atletas tiveram que largar de acordo com as categorias que se inscreveram para a corrida de Varginha(não é permitido mudar de categoria em corridas chanceladas pela FMC). Desta forma atletas que costumam a correr na elite passaram para suas respectivas categorias. O que inflou algumas categorias e esvaziou a elite que largou com seis atletas. Categorias como a junior e sub 23 também receberam atletas que normalmente correm na elite o que tornou o nível técnico alto nestas categorias. Na categoria Master, tirando o Amarildo da equipe Amazonas(que ganhou em Varginha) largamos com quase os mesmos atletas da corrida de Varginha.

Na elite o enoque foi o campeão em mais uma corrida de superação. Teve uma queda, sofreu dois cortes profundos em uma das mãos (inclusive parece que recebeu pontos após a corrida), foi atendimento pelo corpo de bombeiros voltou para a corrida e venceu.
O bruno mais uma vez venceu em sua categoria chegando bem a frente dos demais.
O Junior de alfenas após uma queda retirou-se da corrida
Eu fui quinto na master.
Salvador sexto na master.
O Rodriguinho fez boa corrida porém não me recordo sua colocação.

Aqui de Varginha o Bigorna foi segundo ou terceiro, O felipe irmão do Du foi quarto na sub 23, O Basilio foi sétimo na Master, não sei a classificação do Du.

No feminino venceu a atleta de São João Del Rei seguida pela atleta de Divinopolis.

Ponto interessante da corrida que mesmo com a chuva havia mais de 150 atletas. Inclusive a categoria feminina tinha seis participantes.
Considerei a organizaçã boa, tentaram ser pontuais mais não conseguiram, também penso que pecaram em receber inscrições na hora da corrida. Outro ponto negativo foi que varias pessoas falaram em atletas cortando caminho no ponto conhecido como "subida dos eucalipitos"(realmente faltou um fiscal naquele ponto).
No geral a corrida foi boa, das que corri a mais pesada. Todos que completarm foram vitoriosos e merecem nossos aplausos.

Um grande abraço
Caxambu

André J.J.(judoca jurássico ) é o melhor de Minas

É caros sauros deu tudo certo apesar de muito dificil. viajem muito longa e dificil, onibus muito ruim cheio de problemas, ainda pra completar o André estava acima do peso na noite antes do campeonato, teve que suar muito, mas deu certo emagreceu, só que ficou fraco e muita tensão, chegou a ficar tonto e desmaiar antes da luta corremos com ele para o médico e aos poucos foi melhorando tinha caido a pressão, ele foi melhorando e logo foi lutar, lutas dificeis, na segunda ja estava recuperado e mandou o garoto para o hospital ( animalllll) na final o bicho pegou o outro garoto vinha detonando as lutas em segundos, mas com a ajuda dos sensei que passsou as orientações certas ele soube neutralizar os golpes, levou uma punição e estava perdendo em seguida conseguiu empatar, terminou empatada, foi para o desempate ele atacou o tempo todo e o garoto só defendendo fugindo, de repente num belo hippon ele finaliza a luta e esta classificado para o brasileiro como o melhor de Minas.
De uma olhada nas fotos o que encontramos por la, era sauros em peso

Abraços, Ronaldão.