sábado, 26 de dezembro de 2009

Volta dos 80 III - 26.12.2009

Neste sábado, Andreza, Ronaldo, Rodrigo Silva e Adilson combinaram uma pescaria de trutas em Itamonte. Como combinado partiram de Varginha às 06:20h da manhã e viagem foi tranquila. Ao sair do carro na Garganta do Registro se tocaram que o dia estava lindo. Não havia chovido na região. O tempo ligeiramente nublado estava perfeito para pedalar.
De repente, cruzaram olhares e perceberam que estavam vestidos com roupas de bike. Nossa! Repararam mais um pouco e as bikes estavam em cima do carro prontas para iniciar o movimento. Que coincidência!!! Como o destino havia premiado os intrépidos, nada melhor que atender o chamado e partir para mais uma aventura jurássica inesquecível.
Apoio e bikers sincronizados, itens de contingência checados, equipamentos aferidos, fotos oficiais tiradas e... Atenção senhores passageiros, apertem o cinto de segurança.... Câmbio, trio jurássico pedindo autorização para decolar... Tiiiirrrrriii, Torre de Comando, autorização concedida.... Tiiiiirrrrriii.... Recolhecendo trem de pouso.... E vrrruuuummmmm....
Exatamente às 09:30h, Ronaldo, Rodrigo e Adilson, partiram da Garganta do Registro, há uma altitude de 1660 m.

Cão jurássico. Foto especial em homenagem ao Silas, amigo que não pode participar devido a um contratempo em sua garganta do registro.


Grupo e a foto oficial na Garganta do Registro. Altitude 1.666m.
De cara, uma subida interminável de 10 km que levou os intrépidos a altitude de 2.150 m. Não há registros jurássicos altitude maior. Então, no Brasil, nunca pedalaram em um lugar tão alto. O resultado foi que a temperatura caiu para 17.o e a neblina, ou melhor, as nuvens passavam ao lado. Passaram pela Casa de Pedra, esconderijo do ex-presidente Getúlio Vargas, que em 1932 construiu o seu "bunker" nas Agulhas Negras, num local paradisíaco e quase inacessível. Uma verdadeira fortaleza de rochas, seria o seu refúgio em caso de ataque ao Palácio do Governo durante a Revolução Constitucionalista. O imóvel atualmente serve de abrigo a excursionistas e pesquisadores.
Logo depois, abandonaram a estrada principal que ruma para o Pico das Agulhas Negras, e despencaram, a esquerda, rumo a Pousada dos Lobos.

Grupo nas nuvens, literalmente.

Na descida até a Pousada dos Lobos um pequeno contratempo no pneu do Adilson e impressionante tomada da estradinha onde o trio passaria a seguir.
Mais um pneu furado pelas pedras na Serra Negra e uma corrente arrebentada próximo a Pousada Fragária. Foram providenciais para que o grupo pudesse apreciar tanta beleza ao seu redor. Trilhas entre florestas de araucárias, chalés aconchegantes, vilarejos onde o tempo insiste em não passar. Além é claro do barulho constante das águas que cruzavam, serpenteavam e refrescavam o caminho. Um chuá!!!
Logo, cruzaram a Pousada Fragária e seguiram por uma longa subida rumo ao vilarejo de Campo Redondo. Antes a impressionante contemplação da cachoeira da Fragária, com seus 80 metros de queda.

Grupo com a cachoeira da Fragária ao fundo.

Trio no BarBosa em Campo Redondo
Mais um breve pit-stop no Bar do Barbosa, chamado de BarBosa, no vilarejo de Campo Redondo para um coca-cola gelada. Naquele momento, a temperatura estava em 33.o e o sol lembrou os jurássicos que era verão.
Como o caminho era basicamente serpenteando as montanhas, as árvores protegiam os jurássicos que passaram por Berta, pelo trevo que vai para Bocaina de Minas e por fim, o último subidão do percurso rumo ao trevo para Alagoa. O ritmo era forte e constante. Chegaram rápido ao topo e despencaram sentido Itamonte. Percurso com fortes e longas descidas, onde ocorrem sensacionais "pegas" com uma moto e um fusquinha azul calcinha. Próximo a Itamonte, a terra deu lugar para bloquetes e posteriormente para o asfalto. Estão pavimentando o trecho de Itamonte até Alagoa.
Como o tempo estava a favor, desviaram o caminho para conhecer a Usina dos Bragas.
A chegada em Itamonte ocorreu às 14:28h como combinado com Andreza, apoio jurássico. Esta por sua vez já tinha arrumado uma pousada estrategicamente localizada para um merecido banho. Na frente de nossa chegada, sincronismo perfeito.

No alto da última subida.

Na usina dos Bragas.

Foto oficial da chegada.
Após um delicioso banho e algumas cervejas para comemorar a aventura, o quarteto iniciou o retorno para Varginha. Viagem tranquila, guiados pela já experiente Andreza.
E as trutas? É claro que Andreza passou nas Trutas Morita e pescou algumas para degustação em Varginha, rs.
Amigos, que aventura maravilhosa! Agradecimentos especiais a companhia mais que perfeita do Rodrigo Silva (estreante neste pedal) e Adilson. Ao apoio eficiente da Andreza. Lamentamos a falta do amigo Silas, com a promessa de repetir em breve este pedal.
Passados 4 anos da última edição, muitos detalhes do trajeto foram esquecidos. É de arrepiar as imagens que ficaram gravadas em nossas mentes.
Aproveito para desejar a todos uma feliz despedida de 2009 e que em 2010 possamos nos aventurar pelas trilhas deste mundão bão D+ de Deus.
Abraços, Ronaldo.
Fotos: Adilson.
P.S.: Como a orelha do Silas queimou neste pedal, homenageamos nosso amigo com uma canção chamada A LENDA DO ABAETÉ do compositor Dorival Caymmi, uma raridade:

No Abaeté tem uma lagoa escura
No Abaeté tem uma lagoa escura
Arrodeada de areia branca
Ô, de areia branca
Ô, de areia branca
De manhã cedo, se uma lavadeira
Vai lavar roupa no Abaeté
Vai se benzendo porque diz que ouve
Ouve a zoada do batucajé
Ô, do batucajé
Ô, do batucajé
No Abaeté tem uma lagoa escura
No Abaeté tem uma lagoa escura
Arrodeada de areia branca
Ô, de areia branca
Ô, de areia branca
O pescador deixa que seu filhinho
Tome jangada, faça o que quiser
Mas dá pancada se o filhinho brinca
Perto da Lagoa do Abaeté
Ô, do Abaeté
Ô, do Abaeté
No Abaeté tem uma lagoa escura
No Abaeté tem uma lagoa escura
Arrodeada de areia branca
Ô, de areia branca
Ô, de areia branca
A noite tá que é um dia, diz alguém olhando a lua
E lá fora as criancinhas brincam à luz do luar
O luar prateia tudo, coqueiral, areia e mar
A gente imagina quanto a lagoa linda é
A lua se namorando nas águas do Abaeté

3 comentários:

ISABEL disse...

Belo relato, Ronaldo. Mais uma vez, um show de criatividade. Parabéns a todos os participantes desse pedal maravilhoso.

Abraço,

Isabel Ferreira

Adilson disse...

Gostaria de agradecer aos amigos desta aventura, ao Rodrigo e ao Ronaldo, e Andreza pelo apoio, sempre muito competente. Estávamos um trio super Homogênio, onde ninguém esperava ninguém, isso fez com que chegássemos com 3:16 de pedal, tendo em vista a topografia do percurso, achei o tempo exelente, além é claro do companheirismo que nunca falta, grande abraço amigos!!!
Adilson!

Anônimo disse...

É verdade, caros amigos! O relato está um primor de criatividade e de interesse - parabéns, Ronaldo! O evento foi fantástico, tanto pelo percurso, maravilhoso, quanto pelo pessoal que arrebentou e fez um pedal forte, homogêneo e sem quaisquer problemas, além de pneus e corrente. Foi tão bom que já está dando vontade de voltar lá!
Abraços.