segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Trilha Gran Lomba - Domingo 24 de outubro de 2010

Hoje foi dia de Gram Lomba!!!
Grupo reunião no final do pedal

Depois de uma noite de sábado bastante agitada, o dia amanheceu com aquela cara de quem quer ficar mais um tempinho na cama. Tudo levava a crer que não teríamos a chance de fazer pela primeira vez a trilha do Gran Lomba, mas eis que São Pedro deu uma ajudinha, o tempo firmou, a chuva foi pro beleléu e, os bikers Rodrigo Mortadela, Maurinho (filé de borboleta), Argentino, Adilson, Carlinhos (Sortee), Fernando e Lenz zarparam da Copasa por volta das 8:40 da manhã, em direção a um pedal que marcou historia.

Seguimos sentido as três torres e viramos logo a direita na fazenda do Edgar, sentido ao haras, onde pegamos o primeiro single track do dia, pois subimos o ventilador pela trilha ao lado da estrada. Na encruzilhada que leva a fazenda Forge, recebemos uma ligação do Ronaldo que estava um pouco atrasado, marcamos de nos encontrar “água do urubu” próximo ao mascatinho. Neste momento viramos à esquerda pegando a estrada da volta da “Copas”, virando logo à frente em outro single track, desta vez subimos pelo pasto ao lado do chora neném cruzando toda sua extensão, mas não sem antes o Carlinhos comprar um dois lotes na descida, até sairmos no curral que fica ao lado da estrada mais a frente. Neste ponto, seguimos pelo caminho principal passando pela fazenda do Dr Guedes (igrejinha) e seguimos até a matinha, após cruzarmos a porteira (aquela que fecha sozinha), descemos pela estrada até o segundo mata-burro, onde viramos à direita pegando outro single track, serpenteamos pasto a fora e lá em baixo na trilha, cruzamos o ribeirão do mascatinho, onde o Adilson comprou dois terrenos com vista privilegiada para o rio, continuamos seguindo pela trilha até sairmos na fazenda do pomar (aquela que uma vez os bikessauros atacaram o pomar e o Pantufa pulou o mata-burro, vocês lembram?). Na fazenda viramos a direita seguindo pela estrada principal até chegarmos na encruzilhada da “água do urubu” onde encontramos o Ronaldo, que chegava esbaforido, vindo pela estrada do Mascatinho. Neste ponto subimos em meio aos eucaliptos que estão sendo derrubados e, na primeira tronqueira viramos à esquerda, descendo um single track até chegarmos ao inicio da trilha dos motoqueiros. Aí o bicho pegou!!! Foram pelo menos três subidas de alto nível técnico e físico, até alcançarmos outro single track que nós levou a um pequeno lago que fica na parte de baixo do cafezal que leva ao morro do céu. Atravessamos outra tronqueira e subimos pelo café sentido morro do céu.

Neste ponto as pernas já começaram a dar sinal de cansaço, vencemos a subida e o famigerado morro e, após um breve descanso, descemos pela trilha do café, mas antes da primeira subida viramos a direita na trilha da “Sortee Informática”, dá pra imaginar o porque do nome né!..... Após cruzarmos outra tronqueira, chegamos a uma mina d’água onde reabastecemos as caramanholas. Continuamos a descer pela trilha e logo em baixo viramos a esquerda pegando uma subida bastante técnica que nos levou morro acima até chegarmos ao alto do chora neném e, novamente a encruzilhada da fazenda Forge. Viramos a direita e seguimos sentido cachorrinho, subimos pela estrada da fazenda vencendo o ultimo morro do dia, ufa... Chegamos à estrada da torre que nos levou sãos e salvos de volta prá Copasa. Dá pra imaginar porque a trilha chama-se Gran Lomba né!... Pois é, chegamos numa Lomba só, mas extremamente felizes e realizados. Este é o relato!!!
Cara de alegria do Argentino no final do pedal.

Abraços, Argentino

Fotos Rodrigo Sanches (Moc:)
http://picasaweb.google.com.br/rodrigogsanches/FOTOSPEDALTRILHAGRANDLOMBA?feat=email#slideshow/5531706045402062434

domingo, 17 de outubro de 2010

X TERRA, GRANDE PERFORMANCE JURÁSSICA!

A Comissão Diretora da Associação Bikessauros felicita os seus associados e atletas José Salvador (Campeão na categoria), Rodrigo Caxambu (Segundo lugar na categoria) e Silas (Segundo lugar na categoria) pela brilhante participação no X Terra, realizado nos dias 16 e 17 de outubro em Tiradentes/MG. 
Que o sucesso continue!

quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Trilha do Defunto em São Tomé - 12 de outubro de 2010






Trilha do Defunto em Sao Tomé

Nao é recente em que escuto comentários da famosa Trilha do Defunto. Em minha primeira visita a cidade mística de Sao Tomé os nativos de lá me relatavam detalhes das inúmeras trilhas que lá existiam e entre elas
estava a eletrizante Trilha do Defunto.
Acompanho e participo da comunidade Jurássica desde novembro de 2009 e sempre que o assunto desta trilha aparecia nas rodas de conversa eu me afastava temendo ser convidado (ou intimado) para participar desse pedal bastante técnico.
E não foi diferente até a manha do dia 12. Era uma manha nublada, com previsão de um pouco de chuva que não ocorreu. Acordei cedo, mas ainda a dúvida pairava na minha cabeça “ir ou não ir”. Mas algo me dizia que esse dia não poderia ser normal...
O grupo dessa aventura foi formado pelos veteranos Maciel, Ronaldinho (ex-menudo), Rodrigo Sanches (Zambotti I), Luiz Carlos Bregalda (Breg), Pantufa, Timba (lada) os incríveis XTR e D.o.n.d.i.n.h.o  e os novatos em São Tomé, Carlos, Robertão e de ultima hora ingressou Donizeti (Os Criatura).
Partimos do Bike ponto por volta das 6:45 em três viaturas Golfssauro ( 4 bikes), Saveirossauro  (+4 bikes) e Mareiassauro (+2 bikes) com  uma parada obrigatória na padaria em Três Coraçoes para um reforço na
alimentação, chegamos em São Tomé por volta das nove horas.
Com todas as bikes descarregadas e revisadas, juntou-se ao grupo Maciel que havia pernoitado na cidade. A adrenalina do pedal já se aflorava ao se avistar o majestoso paredão de pedra. Percebi logo de cara que esse dia das crianças não seria só brincadeira. Mas eu não poderia desistir porque seria a oportunidade da realizaçao de um pedal inusitado. E também contava com o apoio de todos do grupo, principalmente de Ronaldinho e Maciel, que paulatinamente instruíam com suas experiências e nos forneciam incentivo
para seguir adiante.
Passado o susto inicial, pedalar entre pedras já não era assim tão apavorante e determinado a prosseguir, os novatos, eu e Carlos e Donizeti já nos sentíamos mais a vontade e relaxados com todo o contexto.
Prosseguindo rumo ao nosso destino final, passamos pelo jet-ski paleolítico, parada obrigatória para efetuar as fotos de praxe. Logo em seguida nos deparamos com o degrau da morte, batizado obrigatório aos
novatos, onde Donizeti (Os Criatura) comprou um pequeno terreno. Feito
isso já se avistava ao fundo o Pico do Gavião.  Um trajeto feito por estradas de pedras soltas, trilhas íngremes, curvas radicais, sendo que, por algumas vezes (várias) os novatos carregavam as suas magrelas, mas queríamos a chegar um local místico e transformador. Aonde as energias despendidas para se chegar lá são renovadas em um piscar de olhos, tamanha a magnitude que o lugar proporciona.
Reunidos para tirar as fotos do local, da Cruz e do Gavião, surge do nada, como que uma miragem um dissidente do grupo inicial, Bigorna, que não resistiu da possibilidade de se divertir e juntou-se ao grupo por alguns minutos, montado em sua reluzente moto.
No caminho de retorno, Pantufa teve o seu pneu perfurado na borda pelas pedras. Nesse instante decidimos nos separar em dois grupos. Foi uma decisão acertada, pois Breg  teve uma distensão ao se tentar tirar uma
foto, e temendo “esfriar” o corpo e atrasar todo o grupo decidimos seguir a frente dos demais.  Foi assim que Maciel, Robertao, Donizete e Breg retornaram, temerosos que a situação se agravasse com o companheiro debilitado, mas mesmo assim ele ainda arriscava algumas decidas radicais em pedras, coisas do Luiz Claudio, como todos já conhecem.
Reagrupamos novamente um pouco antes da chegada, para assistirmos um show de técnica de vários integrantes. Ronaldinho, Maciel, Rodrigo Sanches, Timba, teimoso Breg, e os fantásticos XTR e D.o.n.d.i.n.h.o enquanto os novatos estupefatos observavam manobras de descida (e subida) do paredão.
Como não se poderia deixar de ser, nos reunimos em frente a praça local para festejarmos o  completo êxito da aventura e dividirmos as alegrias de mais um dia . Optamos por finalizar a comemoraçao em Varginha, após vários salgadinhos e poucas cervejas, pois tínhamos vários km ainda por percorrer.
Agradeço enormemente a paciência e união de todo o grupo que concorreram para a boa realização desse pedal. Não podemos nos esquecer da Andreza, apoio e motorista no retorno a Varginha. Agradeço também a Nossa Senhora, no seu dia, nossa Padroeira e companheira espiritual de todos os pedais.

Roberto Rivera

Fotos da aventura (By Moc): http://picasaweb.google.com.br/rodrigogsanches/FOTOSPEDALSAOTOMEDASLETRAS?feat=email#slideshow/5527666762847693410

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Pedal na Serra de Boa Esperança - 3 picos - 09/10/2010

   E assim começa mais um relato da aventura jurássica na Serra(*) de Boa Esperança. Articulações entre Ronaldo e o primossauro Marcelino deram nisto. Infelizmente o Vgabike não replicou o convite postado no dia anterior para conhecimento de todos. Algumas ligações na noite de sexta-feira montaram a legenda e o PJ, Partido Jurássico foi instaurado. Como projeto, o pedal na Serra(*) de Boa Esperança em um sábado ensolarado. Partiram do bikelocal às 06h, os cabos eleitorais Ronaldo (Menudo), Rodrigo Sanches (Moc), Ronaldão (O esfomeado) e Neizinho Mirage. De Três Pontas partiu pedalando Daniel, Bikeloko que já viajou com os Bikessauros para Aparecida. Esperando em nosso colégio eleitoral de Boa Esperança, estavam Marcelino e Perrengue . Breve coffee break, na padaria Massa Macia para ajustar as diretrizes do partido e o grupo partiu às 07:30h para uma carreata, ou melhor, uma bicicletada pela Serra(*) de Boe. Fizeram coligações com o Sol, que prometeu ser brando e brilhante o suficiente para tornar a natureza exuberante, um pacto com a serra(*) que deixou o grupo serpentear pelas suas belas curvas e em contraditada o grupo prometeu só tirar fotos e levar consigo sensações e lembranças únicas.

   Bicicletada animada passou pelo bairro Maringá e saiu pela cidade por trilha rumo a Serra(*). Após 15 km a majestosa parede dorense se pôs diante do grupo. Subida da fazenda Santo Antônio, 1.o objetivo do dia. Logo sua Majestade estendeu seu braço em Z para que os intrépidos pudessem alcançar suas costas. Cada um em seu tempo caprichou e conseguiu vencer a forte subida. As últimas chuvas deixaram a Serra(*) ainda mais linda e o chão seguro e aderente. Um chuá.



   Caminho inédito e muito técnico até o 2.o objetivo, Pico das Antenas, onde o grupo pedalou na crista da Serra(*) por trilhas com pedras soltas e escondidas. Perrengue não resistiu e fechou um bom negócio ali mesmo. Terreno com vista para a cidade, show.

   A descida do Pico das Agulhas estava muito técnica. Inúmeras valas e pedras soltas. Chegaram no novo restaurante instalado na Serra(*), Solar dos Anjos, onde fizeram algumas panfletagens e angariaram votos para a campanha. Saíram com a promessa de retornar 2 hrs depois para saborear um delicioso frango caipira.

   De cara uma trilha inédita e ferrada até o alto do morro sentido Igrejinha, 3.o objetivo do dia. Lugar único, com visão 360 grau, deixou os novatos extasiados e os veteranos emocionados. Retornaram um pouco e seguiram Marcelino por uma conexão inédita até a base da estrada para o morro do elefante, nosso último objetivo do dia nas montanhas dorenses.

   Depois de mais uma sessão de fotos, despendamos para os chalés da Siomara, Solar dos Anjos e de lá para saborear o franguinho encomendado. Uma delícia, a turma se esbaldou. Prosa boa e comida mineira rolaram pela tarde enquanto do sol acalmava do lado de fora. Ronaldão com uma fome de leão devorou metade do frango sozinho, rs.
   Muito bem nutrido, o grupo despencou pela descida dos escravos, acesso principal da Serra (*) e seguiu para trilha, passando pelo vale das garças até o dique do lago de Boa Esperança. Até aqui foram 60 km, sendo 30km de Serra(*).

   O grupo já estava maravilhado com o pedal quando encontraram o Bikeloko KLB. Ele e Marcelino propuseram aos demais uma volta da pistinha, área de treinamento dos Bikelokos, que de “inha” não tem nada. Em sua parte mais resumida são 4 km muito técnicos, com inúmeras alternâncias de subidas e descidas técnicas. Passagens por debaixo e por cima de uma ponte estilo filme de Indiana Jones e uma cava de deixar a moçada sem fôlego. Incrível. Uma pista de alto nível no centro da cidade com vista para o lago.

   A chegada ainda teve uma última surpresa, a passagem de bike sob o duto de esgoto da cidade. É olhar para frente e seguir com ardência, afinal fica suspenso há uns 8 metros do chão ou melhor do lago.

   Foram 65 km no total, 4.200 kcal gastas e 1.600 metros de ascendência total. Rápidas e fraternas despendidas e o grupo varginhese pôs se no caminho de volta com um gostosinho de quero mais.

   Agradecimentos mil aos amigos Bikelokos em especial ao Marcelino que sempre torna o pedal na Serra(*) de Boe inesquecível.

(*) Serra = morro com vegetação mais baixa. Nada haver com o candidato à presidência do Brasil

Relato: Ronaldo.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Entre Amigos, Montanhas e o Sagrado

Os bikessauros viveram no início de setembro a tradição de buscar o sagrado pela nona vez, na famosa romaria ciclística para o Santuário de Nossa Senhora da Conceição Aparecida, Padroeira do Brasil.

Dois eventos antecederam essa grande jornada: um missa na Igreja Matriz do Divino Espírito Santo, na sexta-feira, dia 3 de setembro, e uma campanha social na semana anterior, na qual foram distribuídas mais de 30 cestas básicas na zona rural.

A Viagem

Na manhã do dia 4 de setembro, sábado, trinta e oito ciclistas montanheiros, seis apoiadores de ponta, em três veículos 4X4, e uma moto (cobertura fotográfica do Perrengue) zarparam de Varginha, antecedidos pela Guarda Municipal da cidade e seguidos por uma ambulância da Unimed, um dos patrocinadores do evento, que os acompanharam até os limites do município, para uma viagem de três dias entre as montanhas de Minas e o Vale do Paraíba em São Paulo, em grande parte por terra.

Para muitos era o primeiro grande desafio, esses 260 Km de muitas subidas fortes e descidas radicais, este ano dificultadas pela secura do tempo, que fez com que muito pó fosse acumulado pelo caminho, tornando as subidas mais árduas e as descidas mais perigosas, sobretudo devidos às pedras escondidas sob a terra fofa.

Como sempre, a quilometragem do primeiro dia, 115 Km, e a travessia da Mantiqueira, em especial, da Serra da Paciência, a partir da cidade de Cristina, no segundo dia, foram os maiores obstáculos e exigiram bastante dos intrépidos. Contudo, a beleza dos incríveis cenários da grande Serra recompensa aqueles que têm a coragem e a disposição de participar dessa aventura. No caminho, na comunidade de Mata de Cima, lugar muito carente, ainda foram distribuídas 8 cestas básicas que seguiam no apoio.

Extenuados, em Delfim Moreira, ainda Minas Gerais, mas felizes por terem cumprido essa segunda etapa, todos aproveitaram o tempo de descanso e descontração para relembrarem os momentos vividos, compartilharem experiências e planejarem o último dia de jornada: a longa descida da Serra até Piquete e o Vale do Paraíba.

Descer até o Vale é uma experiência única. São mais de noventa curvas e em alguns trechos alguns atingem mais de 70 Km por hora. Logo, chegou-se a Piquete, onde todos, inclusive apoio, entraram em formação, que somente foi desfeita no Santuário. Coisa bonita de se ver. Desse jeito, atravessou-se Lorena e Guaratinguetá. A chegada, como sempre, foi marcada por grande alegria e muitos cumprimentos. Sim, e muitas fotos, claro! Na Santa Missa do meio-dia todos entraram em formação e a maioria se posicionou em círculo próximo à nave central da Basílica, mas alguns “novatos” tiveram a honra de participar no altar e grande foi a emoção.

No meio da tarde, após o banho e o almoço num hotel próximo a Basílica, os intrépidos embarcaram no ônibus cedido pela Coutinho, outra parceira dos bikessauros, e em meio a muita amizade, alegria e descontração retornaram à Princesa do Sul, onde amigos e familiares os aguardavam.

Agradecimentos a Deus pela saúde e convergência de seres tão especiais.
Agradecimentos à Comissão Organizadora AP 9: Hebert, Delley, Silas, Ney e Timba; ao Hapoio do Tim Helder, Tio Hugo, Euler, Chico, Gato Seco e Galho Seco; ao Perrengue pela excelente cobertura fotográfica; aos patrocinadores jurássicos: Unimed Varginha e Transportes Coutinho; aos apoiadores do evento: Salve Salve, New Bike, Salve Salve Kid's, Retífica Reis, Panificadora Floresta, Transportadora Varginha, Peixe Comércio de Café, Atlântica, Junqueira Impermeabilizações, JA Supermercados e Açougue, Sphaguetty's, Coffe News Corretora e Princesa Auto Estacionamento; aos amigos e familiares pela paciência e incentivo.

E aguardem, pois em 30 de outubro e nos três dias seguintes o charme e a beleza trilharão esse mesmo caminho em: Bikessauras, Agora É Que São Elas 5! A romaria feminina.

A Festa

Seguindo a tradição, aconteceu no último sábado, em clima de muita amizade e alegria, o churrasco comemorativo AP 9, somado à Festa dos 40, onde aniversariaram: Hebert, Delley, Wagner, Ronaaldo, Lico, Alessandra Nogueira e Patrícia (do Jeffinho). O evento, que reuniu a grande Família Jurássica, ocorreu no Sítio dos Araújo, gentilmente cedido pelo Helcinho e sua família. À beira da bela piscina, o unido e animado grupo se esbaldou, embalado pelas músicas comandadas pelo DJ Cachorrão.

Em meio à grande festa, encerrando seus trabalhos e em clima de muita emoção, a Comissão AP 9 revelou os nomes dos bikessauros que comporão a Comissão AP 10. São eles: Dr Rodrigo, Dema, Ronaaldo, Roberto (único estreante no grupo) e Luizão, que aceitaram com alegria a missão e terão grande responsabilidade em preparar a décima edição dessa espetacular romaria.

Tudo ficou com gosto de “quero mais”. O consolo é que têm, pelo menos, mais dois encontros como esse: o churrasco delas e a festa jurássica de fim de ano.

Confira nos links algumas fotos da romaria e dos eventos: