segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Campeonato Brasileiro de Maratona - Participação Jurássica


O Campeonato Brasileiro de Maratona, da Confederação Brasileira de Ciclismo - CBC, prova que define o campeão anual brasileiro de XCM, foi a prova mais casca de ferida grossa que já participei. Aconteceu em Caconde - SP, que fica num vale do outro lado de Poços de Caldas, perto de Muzambinho. Logo na saída, após sair da cidadezinha, encara-se a escalada da serra em direção a Divinolândia - MG por 10 km, numa estradinha minúscula e empedrada, com inúmeras paredes. Quando se atinge o topo (de bela vista), surgem as descidas técnicas, fortes e com muita pedra e cascalho (com certeza para facilitar a subida dos carros). É um sobe e desce, parede e pirambeira que parece não ter fim.
Foram 64 km, com limite máximo de 4 horas para completar. No quilômetro 50, acabou meu gás. Estava em quarto e dois competidores da minha categoria passarem por mim devagarinho, também se esgarçando, mas não tive força para engatar um coroão e acompanhá-los. Arrepiava de frio e cansaço, acabei em sexto (num total de 12 na categoria), em 3h33m, apenas 8 chegaram antes do corte. Adriano Chagas de Lima, Dioléia, de Três Pontas, terminou em quinto na sua categoria.
Salvador terminou em quarto na sua categoria, em 2h57m e foi um caso a parte. Eduardo Ramirez, o Edu, técnico da seleção brasileira e um dos organizadores do evento, contou-nos que na chegada Horse parou a bike e perdeu a memória, começou a falar sem nexo. Imediatamente, percebendo a gravidade, chamou a ambulância e foram os dois ao hospital, graças a Deus bem pertinho e já preparado para receber atletas. Aplicaram 2 litros de soro no Salvador, que teve desidratação severíssima, perda total de glicose e minerais. Após minha chegada, estava no banho, nosso hotel ficava defronte a chegada, ouvi o Paulo de Tarso, do Sampa Bikers, co-organizador do evento, chamando meu nome e pedindo que comparecesse ao hospital. Preocupados, fomos, eu e Dioléia, e o encontramos abatidíssimo, olheiras profundas, ainda vomitando, e sem memória dos acontecimentos recentes. O Ramirez foi muito legal, atenciosíssimo, largou a prova e ficou com o Salvador no hospital até chegarmos. Dioléia contou-nos que estava junto com ele na serra, quando Salvador ficou sem coroinha e acabou fazendo a maioria das paredes em pé, com coroa do meio (2x1). Foi além do limite. Com certeza o corpo deve ter dado sinais de que era hora de diminuir, mas ele não queria ouvir, só terminar, graças a Deus está bem, tem o verão para se recuperar.
Realmente foi uma prova de arrebentar, tem de estar pelo menos medianamente preparado para fazê-la, senão melhor não tentar. Havia gente do Brasil inteiro, da Paraíba à Santa Catarina. E, adivinhem, o atual campeão brasileiro de maratona é o mineiro Sherman Trezza, de Poços de Caldas, que fez 5 minutos em cima do Rubinho Donizetti. O garoto, que corre na sub-23, está andando muito e deve ser nosso representante nos campeonatos mundiais em breve. Outras informações no sítio http://www.cbc.esp.br/ e fotos http://www.cbc.esp.br/default/fotos.php?m=mtb.
Valeu!
Silas. 

2 comentários:

Bikessauros disse...

Parabéns dupla SS (Silas e Salvador).
Meus heróis.
A estrada não era tão ruim antes do Salvador passar lá de 2 x 1 na subida, rs.
Arrebentou com tudo.
Cavalinho, ótima recuperação meu amigo.
Abraços, Ronaldo.

Anônimo disse...

Parabéns a todos pela participação em mais essa corrida, pessoal. Que o Salvador se recupere rapidamente e que a lição seja aprendida por todos.
Um abraço.