terça-feira, 9 de novembro de 2010

Pedal Serra de Boa Esperança Full – Visual e Suor - Domingo 07/11/2010

Fotos (Rodrigo Sanches (Moc))

Reunidos para oração

Oooo Serra de Boa Esperança, quantas vezes teremos que pedalar por suas siluetas para termos a dimensão de sua grandeza. Acho que uma vida é muito pouca para ti conhecer por inteira. Contentamos por ter a noção de sua imensidão.
No domingo, 06h da matina saíram do bikelocal Andreza, Ronaldo, Pantufa, Rodrigo Sanches (Moc) e Adilson (Músico). A previsão do tempo se cumpriu. Sábado chuvoso e um lindo domingo nublado pela manhã e ensolarado à tarde. Perfeito para um longo pedal na boa serra.
Seguimos direto para um reforçado café na padaria Massa Macia em Boa Esperança onde encontramos alguns Bikelokos. Parada no Posto Beira Lago para liberar as magrelas e 08h em ponto o grupo riscou o chão


Subindo a serra

Reunidos no alto da subida dos escravos.

Seguimos pelo asfalto, caminho mais rápido de acesso a serra,  com a turma de Boa Esperança. Para o caminho completo seguiram Marcelino, Toto, Daniel e Perrengue de moto. Giro constante e longo encaramos a subida dos escravos.  3,5 km de subida forte. Passamos pelo Bar Restaurante da Regiane, abastecemos as caramanholas e seguimos para a Vista do Inferno. O tempo estava perfeito e o piso mudava de cor a cada momento. Só pegamos barro nunca pequena parte na base da serra. Dentro da serra o terreno estava firme, arenoso e muita pedra, lembrando o piso de São Tomé das Letras.

Subindo para Vista do Inferno.

Na Vista do Inferno.

Pantufa sob o edredom verde.

Parada para contemplação na Vista do Inferno e o grupo formado por Marcelino, Daniel, Toto, Ronaldo, Moc, Pantufa e Adilson partiram para a parte inédita do pedal. Os demais retornaram dali para Boa Esperança.
De cara uma sessão de descidas e subidas em pedras com alto nível técnico. Depois fortes e longas subidas.
Passamos por uma casa construída na beira do precipício para fazer um lanche trazido da padaria e contemplar mais uma vez a paisagem. A serra estava pipocada de gabirobas que foram degustadas pelos intrépidos durante o caminho.


Rumo na face norte da serra.

Perrengue em sua moto, muito gentilmente seguia na frente abrindo as tronqueiras e porteiras do caminho. Na parte da serra pertencente ao município de Ilicinea, na altitude média de 1.400m, verificamos a presença de plantações de café o que indica terra muito boa, mesmo nesta altitude. Diferentemente da parte pertencente ao município de Boa Esperança que é mais arenosa.
Seguimos em ritmo acelerado só parando para consertar os 2 pneus furados do amigo Toto, que ia na frente limpando a trilha e ficando com todos os espinhos, RS.
Logo adiante, a parte inédita do pedal já na região da serra pertencente a Guapé. Uma visão única e maravilhosa. Há quase 1.500m, o mar das gerais se pôs a nossa frente. Foram pelo menos 5km pedalando pela crista na serra para depois despencar ladeira abaixo em uma trilha super técnica e cheia de valas até próximo a cachoeira do garimpo.


O mar das gerais aos pés do Super Primossauro Marcelino.

Ronaldinho rompendo mais uma porteira, muuuuu...

Passamos por uma seqüência de pequenos riachos de águas diáfanas e em um deles paramos para beber suas águas cristalinas e geladas pois o sol já mostrava sua intensidade.
Seguimos alternando fortes subidas e descidas com muitas pedras soltas até pegar o estradão de terra batida para depois chegar no asfalto próximo a Guapé.


Forte e técnica subida.

Caminhos serpenteando as montanhas.

Chegamos no asfalto e de lá para o pesqueiro do Dinho. Hidratamos com algumas cervejas e comemos uma saborosa tilápia frita. O golfssauro pilotado pela Andreza chegou mas alguns inéditos ainda quiseram continuar o pedal pelo asfalto de volta a Boa Esperança.
Até o pesqueiro foram 74 km, sendo 50 km  de puro sobe e desce na serra resultando em uma ascendência total de 1.850m.


Grupo reunido no pesqueiro do Dinho.

Asfalto sentido Boa Esperança.

Seguimos pelo asfalto, cruzamos Ilícinea e em ritmo forte paramos nas Águas Verdes para visitar nosso amigo Glecinho. Chupamos algumas jabuticabas e decidimos finalizar o pedal por ali, as perninhas já estavam gritando com 100 km de pedal e 2.160 m de ascendência. Para os insaciáveis Marcelino, Daniel e Toto o pedal terminou só em Boa Esperança totalizando 130 km.
Agradecimentos mil aos amigos Bikelokos em especial ao vibrante Marcelino que proporcionou sem dúvida nenhuma um dos melhores pedais de nossas vidas.
Show, Ronaldo.


Resultado do Polar. Uffa.

6 comentários:

Marcelino disse...

Primo, show de pedal, show de fotos e agora show de relato. Agora, precisamos reeditar este pedal em um sabadão para que os demais bikessauros possam experimentar esta nova parte da serra. Parabéns!!! Marcelino.

ISABEL disse...

Que lugar lindo! Quero ir lá... Show de relato, Ronaldo.
Abraço,
Isabel

Anônimo disse...

PQP!!! Que imagens fantásticas, caros intrépidos! Se aquela vista for a do inferno, imagine a do Paraíso... Grande Ronaldo, o soberbo relato deixou a todos nós morrendo de vontade de fazer esse tal percurso novo - espero em breve poder conhecê-lo.
No mais, parabéns a todos os aventureiros.

Rodrigo Silva

Reginaldo - ciclovulcano disse...

a bike na visão do inferno, parece tão quieta, calada, monótona, quanto aguça minh´alma pra saber donde vai depois dali, donde pensas enquanto fica ali.....é de tamanha profundidade esse "quadro" essa pintura que palavras não conseguem descrever o sentimento...de tão grandiosa é a visão desse paraíso..
simplesmente genial.....

Anônimo disse...

Ronaldo,
O Relato ficou maravilhoso...muuito show...
Adorei a foto onde vc derruba a porteira..
Parabéns a todos que se aventuraram nesse pedal....
Andreza

Anônimo disse...

Ronaldo, primeiramente prarabens pelo relato, show demais.
queria te fazer uma pegunta: exite alguma tilha que chegue à Serra da Boa Esperança sem o uso do asfalto?
abraço.