terça-feira, 16 de novembro de 2010




TRILHAS DO LAGAMAR, NOVA E VELHA


Para sábado, 13 de novembro, a expectativa era grande, já que tínhamos combinado um pedal quase inédito: juntar as trilhas do Lagamar, novas e velhas, só que no sentido anti-horário, o que nunca tínhamos feito. Todo mundo conhece os espetaculares caminhos que se percorrem à margem da represa, ora mais, ora menos técnicos, mas sempre empolgantes, e sabe, então, a razão da ansiedade para percorrê-los de uma só vez. A despeito do tempo fechado e ameaçando mandar uma tempestade sobre as cabeças dos jurássicos, reuniram-se no bikeponto Argentino, Bregalda, Carlinhos Sortee, Hebert Guru, Hebert novato, Roberto Alien, Rodrigo Sanches, Rodrigo Silva, Ronaldão, Timba e Totonho. Saímos pela Copasa e logo o Argentino propôs que fôssemos até o Lagamar por trilhas alternativas, velhas conhecidas dele mas que, para nós, foram novidade e se revelaram muito boas. Seguimos sempre em direção a estrada de Três Pontas, percorrida por alguns poucos quilômetros até que novamente nos embrenhamos por estradas de terra em direção à extremidade das trilhas novas do Lagamar, que eram novidade para o Argentino e para o Hebert novato. Há que se concordar que essas trilhas são sensacionais e certamente estão entre as nossas melhores; é interessante que, feito ao contrário, o caminho parece estranhamente diferente...
 

Deixando Varginha para trás


Muitas cercas pelo caminho...


Início das trilhas


Nossa cidade ao fundo


A represa de Furnas - Trilha do Lagamar


O Totonho não tem jeito...

Todos, no seu ritmo, foram progredindo pelo fantástico single track até o Lagamar, onde entramos em direção a Marina e iniciamos as trilhas velhas que estão muito sujas, cheias de mato e de arranha-gatos, o que nos valeu arranhões e escoriações à vontade. Isso não as tornaram menos divertidas, é verdade, e até optamos por fazer a variação “Lagamar de Cima” onde, pateticamente, rolei morro abaixo em meio a uma touceira de espinhos, só não tendo havido nada de mais sério graças a uma pequena árvore que estava no caminho. Ainda bem que o Argentino, aparentemente expert em resgates, deu a maior força e logo eu estava novamente a postos para continuar, embora com muitos arranhões adicionais. Bem perto do final das trilhas, pela enésima vez, a bike do Totonho estragou: adivinhem que peça quebrou? É isso mesmo, acertou quem apostou na gancheira! Puxa vida, nosso amigo ainda não tinha aberto a mão e comprado uma gancheira nova!... Daí para a frente, foi jeitinho para cá, jeitinho para lá até que não houve outro remédio senão uma longa parada para estudarmos o caso e ver o que dava para fazer. Foi naquela hora que o Rodrigo Sanches revelou uma incrível habilidade em mecânica de bikes e, seguindo também orientações do Carlos, resolveu o problema com maestria, ainda que a solução tenha sido temporária, embora suficiente para seguirmos adiante. Desde aquele momento, tudo foi seguindo às maravilhas até que, quando chegamos a uma porteira, nosso amigo Argentino ficou pálido, trêmulo e sem energia – seria um caso de “abertura de bico”? Não dá para dizer exatamente, mas o fato é que, após um tempo para descansar, umas doses de repositor energético e algumas bananinhas, el nuestro compañero se recuperou e tocou forte o pedal até o fim.

Rivalidade Sul Americana: Bikers brasileiros  1 X 0  Biker Argentino
Brinde a mais um pedal fantástico

Não houve mais problemas até a chegada à UNIS, de onde seguimos pelo cemitério campal até a avenida Plínio Salgado e subimos a avenida Brasil rumo ao Albano's, ponto final de quase todas as nossas aventuras. Nem bem chegamos lá e novas idéias e desafios já povoavam os nossos pensamentos. Qual será o próximo pedal? Bem, não sabemos, ainda. Só temos certeza de que será sensacional, como todos os que fazemos em companhia dos dinossauros!




Rodrigo Silva

Fotos: Rodrigo Sanches





2 comentários:

Bikessauros disse...

Magnífico relato Rodrigão.
Pelo lido este pedal teve de tudo. Aquisições de terreno, Argentino vendo fantasminhas, rs e o Totonho quebrando a Bike. Vamos comprar uma Monark Barra Forte para ele, rs.
Parabéns turma.
Show de roda.
Ronaldinho.

Ronaldão disse...

Parabéns pelo relato Dr. Rodrigo.
Eu realmente não estava em condições de completar a trilha, a gripe a tosse me detoranaram,e aquela chuvinha fria só ia piorar as coisas, espero uma nova oportunidade para completar esta magnifica trilha.
abraços
Ronaldão