terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Volta dos 80 IV - Sentido Horário - A desossa


Afinal de quem foi esta idéia maluca? Sinto disser que, ainda extasiados ao final da última edição nas terras altas da Mantiqueira, eu, Rodrigo Silva e Adilson ventilamos fazer este percurso ao contrário. Sinto também as minhas costas doendo e músculos que nem sabia que existiam meu corpo.  Resultado de um pedal dividido basicamente em duas partes. A primeira com 45 km de subidas até a Pousada dos Lobos com ascendência total de 2.000 metros e a segunda parte com 15 km de descidas ora em puro single track (caminho de mula mesmo) ora em uma mata fechada e úmida entre as montanhas da Mantiqueira. No final mais 8 km no asfalto para uma chegada triunfante em Itamonte.
Durante a semana o convite, um presente de natal para os amantes da bike, foi colocado para o grupo. O dia normal de trabalho para a maioria impossibilitou a presença  de um numeroso grupo. Como combinado partiram de Varginha às 6 horas Ronaldo, Licão e Dondinho (Super Boy).  Clima agradável e um bom papo tornaram a viagem rápida. Breve parada em Caxambu para um café e 9h o trio estava partindo de Itamonte para um desafio inédito. Mais inédito ainda para Licão e Dondinho que nunca tinha pedalado por estas bandas.
Saímos da cidade rumo a Usina dos Bragas, parte em asfalto com pequeno movimento. O trio cravou um ritmo constante que permitiu uma prosa gostosa. Sempre em subida, saímos de 900 metros de altitude passamos pela Usina com 1.100 metros e continuamos ritmados passando pelos trevos de Alagoa e Bocaina de Minas. O asfalto deu lugar para o bloquete sextavado que depois deu lugar para terra, solo predileto dos Bikessauros.
Após o trevo de Bocaina seguimos à direita para o vilarejo Campo Redondo.  Se a subida já era uma constante, passamos a escalar as montanhas até alcançar 1.700 metros  e uma vista única do pequeno povoado. Lugar bucólico, sonhando por muitos para descansar a mente e o corpo.
Negociamos com Alessandro, jovem nativo, que bateu algumas fotos dos intrépidos e prometeu seguir os Bikessauros pelo Twitter. Vixe Maria, estamos todos conectados.
Descida técnica entre os morros e chegamos ao vilarejo onde fizemos a primeira parada para um rápido abastecimento no Bar Barbosa, já tradicional de outras edições. Como era basicamente o único ponto de apoio do trajeto aproveitamentos para recarregar as energias e as caramanholas. Segundo o dono do bar, dali para a Pousada dos Lobos eram apenas 15 km. Mas em gestos e palavras demonstrou aos forasteiros que não seria nada fácil.
Licão mostrando sua boa forma nem ligou e chamou os demais para riscar o chão.
A partir do Campo Redondo, acreditem se quiserem, as subidas ficaram ainda mais íngremes. Teve um momento que o odômetro marcou 3 km/h e assim ficou por 30 minutos. A subida era interminável. E com ela a beleza do lugar. No solo, apreciado vagarosamente e em detalhes, uma variedade de cores. Do branco das pedras esfarinhadas e espedaçadas pela ação do homem aparecia pontos ora em azul turquesa ora em verde esmeralda. Tirando os olhos para fora da estrada, nos deparamos com um manso verdejante que cobria a cadeia de montanhas ao nosso redor.
Paramos um pouco para contemplar a beleza da cachoeira da Fragaria, formada pelas águas do rio Aiuruoca. São aproximadamente 80 metros de queda. Linda visão. Impossível de demonstrar com palavras a beleza deste lugar. É sempre uma escolha difícil. Perceber cada detalhes do caminho com mesmo tempo que tentamos nos segurar em cima da magrela para não cair.
Água aqui não é problema, cai por todo lado. Fomos passando por outros vilarejos, cruzamos a Serra Negra e passamos por lindas casas de veraneio. Seguimos por florestas de araucárias e campos verdejantes. Agora o solo mesclava cores de vermelho, preto e branco. E não quero ser repetitivo mas tudo isto em subida, putz grilo! Licão adorando, Dondinho e eu nos arrastando.  Afinal já tínhamos subido por 4 horas e meia.
Enfim a Pousada dos Lobos, linda, aconchegante e exuberante aos 2.000 metros de altitude. Paramos para checar o caminho e reabastecer as caramanholas. Decidimos em conjunto com a  Dona Olímpia, governanta da pousada, seguir por trilha. Trilha esta que subimos há 5 anos atrás. Até hoje Totonho me xinga por isto, RS.
Ao lado da Pousada cruzamos uma cerca e uma ponte sob o rio. Longo o caminho fechou em uma trilha onde somente passa cavalos e Bikessauros, RS. Muito técnica, com pedras, galhos, troncos e alguma lama. No começo uns 2 km em subida e depois só descida. Eu e Licão apreciamos a técnica apurada do Super Boy (Dondinho) que deu um show. Seguíamos sempre juntos para não perder. Cruzamos vários riachos, pulamos vários degraus, escorregamos por diversas cavas e caímos literalmente em uma pequena estradinha. Sempre à esquerda não há como errar. Constantemente por dentro da mata, serpenteamos entre os morros e despendamos para Itamonte, cruzando algumas fazendas como a Fazenda Velha.
A chegada no asfalto tem como ponto de referência uma linda igrejinha. Até ali foram 60 km de pura adrenalina. Os 8 km finais em asfalto foram tranqüilos e rápidos. A felicidade estampada no rosto de cada um demonstrava que foi o melhor presente de natal que um Bikessauro podia receber.
Pedal completo. Fortes e longas subidas, descidas muito técnicas. Ora em trilha na mata ora em estradinhas. Valas, pedras, galhos e cavas. O tempo perfeito, sem sol e uma recompensante chuvinha de 5 minutos no asfalto. Nenhum tombo, mas bem que o Ronaldo ficou próximo de negociar um terreno o negócio, foi por pouco. Resumindo, Deus pedala e agradeço a Ele por nos proporcionar mais um pedal inesquecível.
Destaco e fico admirado pela excelente forma do amigo Licão e não poupo elogios ao nosso meninão Dondinho. Esta é prá você:  - Super Boy o seu amigo, vai salvá-lo do perigo...
Aaah, Luizaaao muito obrigado pelas dicas do caminho.
Este é o relato, abraços e até o próximo giro, Ronaldinho.

Vejam as fotos:
http://picasaweb.google.com/bikessauros/VoltaDos80IVSentidoHorarioADessosa#slideshow/5555402461386350354

2 comentários:

Anônimo disse...

Que pedal fantástico esse, caro Ronaldo! Não tinha nenhuma dúvida de que seria um desafio e tanto e agora, lendo o seu excelente relato, obtive a confirmação - é, a descrição foi tão boa que quase posso dizer que estive lá, subindo as intermináveis ladeiras da Mantiqueira e descendo as eletrizantes trilhas... Fiquei suado e cansado só de ler, rsrsrsrs...
Parabéns a você pelo relato e a todo o grupo por mais esse pedal histórico.

Rodrigo Silva

OFF ROAD BIKERS disse...

BELO PEDAL!!!

QUERO APROVEITAR E DESEJAR A TODOS UM FELIZ 2011 COM MUITA SAUDE E MUITA PAZ!!! QUE 2011 SEJA DE MUITAS CONQUISTAS QUE TODOS POSSAM SEMPRE ESTAR NO ALTO DO PODIUM. MUITOS QUILOMETROS DE TRILHAS E ESTRADAS NESTE PROXIMO ANO. ESTAREMOS JUNTOS COMPARTILHANDO NOVAS HISTORIAS PELO BLOG.FORTE ABRAÇO DA EQUIPE OFF ROAD BIKERS