segunda-feira, 21 de março de 2011

Estrada Real Parte III - Caminho Novo - Ouro Preto até Rio de Janeiro

Trajeto em vermelho

A partir de amanhã dia 22.03.2011 começa mais uma aventura jurássica na Estrada Real. Ronaldo e Marcelino vão pedalar de Ouro Preto M.G. até Rio de Janeiro R.J. pelo Caminho Novo da Estrada Real. Será aproximadamente 474 km, a maioria em trilha e estrada de terra batida. Andreza fará o apoio jurássico e aqui colocaremos o diário de bordo para que possam acompanhar detalhes da aventura.

Roteiro:
22.03 - terça - 1.o dia - Viagem Ida - Deslocamento de Varginha até Ouro Preto
Viagem tranquila até Ouro Preto, chegamos às 21:30h e após um pequeno tour pela cidade encostamos nossos esqueletos na Pousada Boroni de onde teclo neste momento. Estamos anciosos para começar a aventura. Amanhã sairemos por trilhas pelo Parque Itacolomi. Será necessário muito atenção nas planilhas pois o caminho deve ser dentro de mata fechada sentido Lavras Novas.

Confira algumas fotos da viagem:

https://picasaweb.google.com/bikessauros/EstradaRealIII1ODiaViagemParaOuroPreto?authkey=Gv1sRgCKiP0p26tPrjTw#slideshow/5587102348782423074

Ronaldo - Ouro Preto - M.G.

23.03 - quarta - 2.o dia Ouro Preto até Ouro Branco (75 km - 100% trilha e terra)
Amigos, simplesmente fantástico. Tirando a emoção de lado foi um MPTT (Melhor Pedal de Todos os Tempos). Junte o pedal da Serra Full em Boa Esperança com o pedal da Trilha do Denfuto em São Tomé e temos como resultado o pedal de hoje. Não conseguimos chegar em Conselheiro Lafaite como planejado anteriormente mas conseguimos seguir fielmente os toténs da estrada real. As planilhas enviadas pelo Roney do Instituto Estrada Real (http://www.estradareal.org.br/) são ótimas e ajudaram muito.
Em 65 km a ascendência total do pedal foi de 2.000 metros, impressionante!
Tivemos de controlar a ansiedade e preservar o biker e a bike pois os 30 kemes iniciais são muiiiito técnicos, com tudo que um mountain biker espera. Fortíssimas subidas em pedras e lajes similar a São Tomé das Letras. Descidas socadas, com inúmeros degraus e valas. Inúmeros tipos e tonalidades de terrenos sempre com muita areia. Fica aqui a dica para Davison de Limeira que fará este trecho em Julho. Cuidado e cautela nos primeiros kemes da aventura.
Mesmo controlando os riscos Ronaldo e Marcelino se jogaram na trilha. Como resultado um pequeno terreno sem gravidade para Ronaldo (investidor nato) e um escorregão por parte do primossauro Marcelino. Não dá para passar em um lugar deste e não arriscar um pouco. Show de roda!!!
Como disse o Marcelino: "O pedal de hoje é igual a ver um gato macho de três cores, só acontece uma vez na vida." rs, rs, rs...
E para dificultar ainda mais, no ínicio do pedal no Parque Estadual do Itacolomi minha bike começou a dar chain chuck (não sei como escrever, depois procuro o termo correto) na coroinha. Resultado, tive que pedalar, ou melhor escalar de coroa do meio. Como prova de amizade, típico do primo Marcelino, tb começou a sua a coroa do meio. Foi foda!!! Subidas expremamente íngremes usando relação 2 X 1, 2 X 2. Lembrei do Cavalinho Salvador. No final do pedal, a coroinha voltou a funcionar, uuuffaaa! Isto devido a corrente nova, com o desgaste a relação entra em sintonia. Esta corrente demorou mais de 200 km para funcionar adequadamente.
É sempre dificil a saída de Ouro Preto, a região tem um relevo extremamente acidentado, não é toa que o Iron Biker é realizado nesta região.
Enquanto isto, nosso apoio nipobrasileiro, Andreza, saiu 11h de Ouro Preto rumo a Conselheiro Lafaiete no golfssauro. Arrumou um bom hotel mas 16h o grupo disse que o final do pedal seria em Ouro Branco. Retornou e procurou um hotel nesta cidade. Como sempre, vez um excelente trabalho e estamos muito bem acomondados no Serra Palace Hotel, de onde teclo neste momento.
Vamos sair mais cedo amanhã para tentar voltar para a programação proposta. Estamos como um atraso de 20 kemes +- 1,5 hora de pedal.
Confira as fotos:

https://picasaweb.google.com/bikessauros/ERIII2?authkey=Gv1sRgCNzz7_XJwaa3pAE#slideshow/5587400133577247250

Ouro Branco - M.G.

24.03 - quinta - 2.o dia - Ouro Branco até Ressaquinha (115 km - 97% km terra, 2% asfalto, 1% trilha)
Assim como no dia anterior fomos premiados com um dia perfeito de pedal. Nublado praticamente todo o dia.
Assim como no dia anterior mais um pedal duro com ascendência total de 1.980 km.
E para terminar as coincidências, ficamos 20 km no ponto planejado que era Barbacena.
Além do relevo acidentado, outro fator responsável pelo atraso foi o deslocamento dentro das cidades. Não constava nas planilhas mas contava no pedal. Para ter uma idéia atravessar Conselheiro Lafaiete foram 10 km. Até agora temos 30 km de deslocamento dentro das cidades. Mas tudo bem e como disse o lema dos Bikessauros, se tem que errar na quilometragem que seja para mais, rs.
Hoje o pedal foi bem menos travado, 1% apenas de trilhas. Mas as subidas continuaram fortes.
Saímos de Ouro Branco, Hotel Serra Palace 08:20h da manhã e logo encontramos o totem inicial. Ajustamos a altimetria e conferimos odomêtro, planilhas do dia com as informações do totem.
Passamos por Conselheiro Lafaiete, Queluzito, Cristiano Otoni, Carandaí e paramos em Ressaquinha. Foram 106km muito bem pedalados, imagens lindas e mais uma vez todo tipo de terreno. A novidade ficou por acompanhar a linha férrea em muitos momentos. Cruzamos a Br 040 por pelo menos 2 vezes mas sempre seguindo por terra. Na chegada em Ressaquinha para nossa surpresa o totem nos levou novamente para a Br só que desta vez passamos por baixa dela, show de roda.
Andreza mais uma vez foi perfeita no apoio, arrumou um delicioso almoço em Carandaí (Restaurante do Assis) e nos alojou em uma boa pousada na cidade Ressaquinha. Estamos muito bem acomodados na Pousada Real de onde teclo agora.

Confira as fotos:

https://picasaweb.google.com/bikessauros/EstradaRealCaminhoNovo3ODia?authkey=Gv1sRgCLSW1ODwpM7IuwE#slideshow/5587817469784402226

Ressaquinha  - M.G.

25.03 - sexta - 3.o dia - Ressaquinha até Ewbank da Câmara (130 km - 97% terra e trilha - 3% asfalto)
Saímos 08:30h da pequena e agradável Ressaquinha. Logo pegamos terra para Alfredo Vasconcelos. Estradinha de terra entre a mata e serpenteando os morros. Na saída de Alfredo Vasconcelos tivemos problemas. Os nativos nos deram informações desencontradas e demoramos 30 minutos para encontrar a saída correta. É incrível como as pessoas querem nos levar para o asfalto. Seguimos por terra entramos em Barbacena, fizemos um pit-stop para hidratação e seguimos pelo centro perguntando a saída para Antônio Carlos. Neste dia o sol estavamos muito forte. Após 10 km dentro de Barbacena e como medo dos médicos de um hospício local nos pegarem, rs, seguimos o caminho para Antônio Carlos, trecho este em asfalto.
Fizemos desta vez uma parada maior para alimentação e hidratação pois o próximo trecho era de 54 km de terra até Santos Dumont, nada de avião, fomos de bike mesmo, rs.
Passamos por fazendas centenárias e comemos inúmeras goiabas pelo caminho. Encontramos vestígios da antiga estrada com seus calçamentos terríveis para bike. Passamos por 2 antigos chafaris e abastecemos nossas caramanholas. Seguimos em frente pelos caminhos indicados pelos totens já na serra da mantiqueira. Lembranças boas do 2.o dia de Aparecida entre Cristina e Delfim Moreira.
Viajamos por 3 horas e meia até chegar em Santos Dumont, onde pedalamos no caminho contrário do trem. Este seria nosso companheiro pelos próximos dias de pedal. Cidade movimentada, como muitas pessoas e carros transitando. Um contraste para quem passou quase 4 horas na companhia de árvores e pássaros. Na saída um único pneu furado na bike do Marcelino, único com câmara. Conserto rápida e seguimos mais uma vez por terra para Ewbank da Câmara. Ao informar sobre o caminho, sentimos que não seria fácil. De cara uma forte e longa subida em calçamento e daqui para uma trilha de vaca onde os pedais batiam nas laterais. O pedal começou a ficar travado e o risco de chegar a noite em Ewbank da Câmara era concreto. Voltamos para a estradinha e logo mais uma sessão de trilhas na mata fechada. Foram pelo menos mais 3 sessões de trilhas até passarmos por um curral onde nos informamos sobre o caminho. Seguimos pela estradinha em ritmo acelerado e até chegamos no asfalto na frente da kombi do nosso informante. Porém Marcelino percebeu que o totem anterior estava em uma posição diferente. O motorista afirmou que não havia caminho pelo morro mas resolvemos investigar. No meio do morro a trilha acabou, a noite chegou e a dupla se ferrou, rs. Estavámos próximos da cidade, cerca de 2 km. O risco era calculado. Não calculado foi a minha decisão de descer a trilha na escuridão. Cabote lindo e suave. Quase em câmera lenta. Divertido se não fosse pela perda dos óculos. Este ficou em Ewbank da Câmara para algum bezerrinho.
Certo, mais uma vez, estava Marcelino. No outro cidade cedo, após procurar os óculos sem sucesso, avistamos outro totem no alto do morro seguido a estação. A chegada em Ewbank da Câmara é simples fantástica e radical. Ponto para o primossauro Marcelino. Mais um dia com alta ascendência, 1.820 metros no total
Hospedamos no Hotel Mundial e Andreza encontrou a melhor comida desta edição. Uma senhora preparou um jantar especialmente para nós. Comemos como reis e rainha. Tomamos uma enorme jarra de suco de laranja, alguns refrigerantes e a conta não passou de R$ 30,00. Não acreditamos e demos uma boa recompensa. Que delícia!!! Local credenciado Bikessauros.

Confira as fotos:
https://picasaweb.google.com/bikessauros/EstradaRealIIICaminhoNovo4ODia?authkey=Gv1sRgCPXi3tib3ajwuAE#slideshow/5588695081295702530

Varginha - M.G.


26.04 - sábado - 4.o dia - Ewbank da Câmara até Paraiba do Sul - RJ (120 km - 55% terra e trilha - 45% asfalto)
Saímos do Hotel Mundial 08:30h e seguimos por terra. Já experientes com o uso das planilhas sabíamos que os primeiros 16 km seriam difíceis. Mas foram ainda piores, ou melhores, dependendo do gosto. Trilha em mata fecha, com muitos cipós e arranha-gatos serpenteando um imenso brejo. De cara atolamos os pés em um brejo ao lado de um totem caído. Vencemos este percuso de 16 km em 2 longas horas. O sol da manhã já mostrava seu vigor. Mais um dia muito quente. Passamos pelo vilarejo Dias Freitas e seguimos finalmente pela BR 040 por 15 km até Juiz de Fora. Acostamento legal e pouco movimentado devido ao horário. Pedalamos forte e optamos por não entrar na cidade como indicado pelos totens. Contornamos e seguimos para Matias Barbosa, Cotagipe, depois Simão Pereira onde paramos para esconder do sol que naquele momento batia os 35 graus. Seguimos para Monte Serrat, uma linda cidadezinha. De lá para Paraíba do Sul por terra, uma deliciosa estradinha de terra, com muitas cachoeiras. Em uma delas próximo ao nosso ponto de parada, Ronaldo aliviou o calor em suas águas gélidas.
Chegamos em Paraiba do Sul, A Rainha das Águas Minerais, após uma forte e longa descida onde Marcelino deu um show de técnica descendo muito rápido. Andreza nos hospedou no Hotel Itaoca e a noite fomos comer uma deliciosa picanha ao lado da linha de trem em um vagão transformado em restaurante. Uma delícia!!!
Ascendência total 1.200 metros.
Confira as fotos:
https://picasaweb.google.com/bikessauros/EstradaRealIIICaminhoNovo5ODia?authkey=Gv1sRgCOr1gbbZpuXTiQE#slideshow/5589186009985272178

Ronaldo - Varginha - M.G.
27.04 - domingo - 5.o dia - Paraiba do Sul até  Porto Estrela - Magé RJ (100 km - 80% asfalto - 20% terra)
5.o e último dia de pedal. Esperávamos um pedal mais leve. Mas não aconteceu foram mais 1.000 de ascendência total. Planejamos 80 km e pedalamos 20 km a mais. Passamos por Queima-Sangue, depois Inconfidência(Sebollas) onde tem o Museu com os ossos de Tiradentes. Seguimos por terra até Secretário, depois Pedro do Rio, Itaipava e Petrópolis.
As cidades, assim como os caminhos são entre as montanhas da serra do mar. Por isto são como linguiças. Compridas e estreitas. O deslocamento entre elas é longo e demorado.
Fizemos uma última hidratação antes de descer a estrada velha rumo à Magé. Desta vez o carro de apoio nos acompanhou de perto e Andreza com toda sua habilidade filmou a descida da serra. 20 km de calçamento, uma anestesia para os braços e mãos. E quem falou que mulher não dirige bem. A Japa desceu a serra dirigindo, narrando e filmando a dupla jurássica.
No plano, seguimos forte e o centro de Magé ficou para trás. Cruzamos a BR pela passarela e seguimos por trilhas até o último totem passando por fazendas e abrindo tronqueiras. Passamos pelas ruínas do Porto Estrela, agora só resta uma parede de 1 metro de espessura em pé. E finalmente encontramos o totem próximo ao rio. Momento único... Sentimentos de satisfação, dever cumprido. Nos abraçamos e festejamos com um frisante.
Era o fim do Projeto Figueiredos na Estrada Real. Projeto este que iniciou em abril de 2006 com o Caminho dos Diamantes, de Ouro Preto até Diamantina, teve sua segunda edição de Ouro Preto até Paraty, Caminho Antigo e agora 5 anos depois chega ao seu final após aproximadamente 1.800 km muito bem pedalados. Pedalamos por inúmeros terrenos sobre nossa própria história. Concluímos que sabemos pouco e valorizamos ainda menos. Mas, depois desta aventura, pode ter certeza que este tesouro tem 3 novos defensores e divulgadores.
Confira as fotos:
https://picasaweb.google.com/bikessauros/EstradaRealIIICaminhoNovo6ODiaParaibaDoSulAtePortoEstrela?authkey=Gv1sRgCMCpxb2whMi_MQ#slideshow/5589211126427693186

Varginha - M.G.
28.04 - segunda - 6.o dia - Viagem de Volta - Deslocamento Rio de Janeiro até Varginha
Viagem tranquila até Varginha relembrando os caminhos reais e sonhando com novos projetos. O mundo gira e os Bikessauros pedalam sobre Ele.

Score:
540 km
8.500 ascendência total.
5 dias de pedal

Agracedimentos:
   Primeiramente a Deus pela saúde e proteção. É incrível como tudo deu certo. Nas 3 edições da Estrada Real não tivemos nenhum problema. A proteção Dele esteve com a gente pelos 1.800 km reais.
   Aos amigos e amantes da bike pelas mensagens de apoio.
   Ao Marcelino, meu primo irmão, muito obrigado pela parceria. Obrigado por compartilhar este sonho comigo. Você foi brilhante em suas decisões e moderações sobre os caminhos.
   A Andreza, pelo apoio incondicional. Não é fácil ficar a disposição das necessidades dos bikers. Achar hotéis, negociar preços, local seguro para as bikes, etc. Oxalá Japinha!
   Ao Silas que esteve com a gente na Estrada Real Caminho Antigo de Carrancas até Paraty, abrilhantando e devorando kemes e comidas pelo caminho, rs.
   Ao Rodrigo Silva, Hebert, Claudinha e Janaina que iniciaram o caminho real e inspiraram Marcelino e eu a realizar esta aventura.
   Por fim, ao Roney do Instituto Estrada Real que forneceu as planilhas com informações e localizações dos tótens. Foram de vital importância para o sucesso deste projeto. ESTAMOS NO CAMINHO CERTO.
Vídeos (Andreza - Apoio):


Chegada ao último totem. Porto Estrela - Magé - R.J.

Comemoração (Todo o lixo foi recolhido e levado do local)

Dicas do caminho:
   Os primeiros 60km são pesados, com ascendência total de 2.000 metros. Muita trilha na mata e em pedras. Cuidado com os tombos.
    Recomendo sair bem cedo. A saída de Ouro Preto será pelo Parque do Itacolomi. Show de roda.
    Dica de hospedagem: Serra Palace em Ouro Branco.
    O deslocamento dentro das cidades não consta nas planilhas. Como exemplo para atravessar Conselheiro Lafaiete serão +-10 km.
    Depois de Ressaquinha vocês vão passar por Alfredo Vasconcelos. Cuidado que os nativos irão mandar vocês pelo asfalto até Barbacena. Encontre o totem na estação ferroviária e informe-se bem. O caminho correto é por terra até Barbacena.
    De Santos Dumond até Ewbank da Câmara existem algumas trilhas complicadas. Gastará um bom tempo aqui. A chegada em Ewbank, próximo ao asfalto, o totem do lado direito manda subir o morro pelo pasto. Estrada desativada. Existe outro totem uns 200 metros dali no meio do morro. Siga pelo morro até a estação ferroviária. Este é o caminho certo.
    Depois de Ewbank tem muitas trilhas complicadas. No meio do mato, cruzando curral e um brejo. Demoramos umas 2 horas para percorrer 10 km. Atenção na interpretação das planilhas.
    Depois de descer a estrada antiga de Petrópolis até Magé e cruzar a BR pela passarela. Siga os últimos totens conforme a planilha, você passará por uma fazenda, gados na trilha, abrirá 2 tronqueiras, é isto mesmo, siga em frente, lugar desabitado. Passará pela ruína do Porto Estrela, apenas uma parede de pé e o último totem estará lá próximo ao rio, emocionante.

Abraços, Andreza, Marcelino e Ronaldo.
Bikessauros - Ligando pensamento à ação.

19 comentários:

Anônimo disse...

Boa Sorte para vcs.....e parabens, pois em Julho somos nos.....em março os Dinossauros, em Julho as Mulas de Barranco.....abraço e anota tudo e depois m passa...

Davison (Limeira S.P>)

OFF ROAD BIKERS disse...

Legal!!! DEsejamos boa viajem aos aventureiros bikers, estaremos esperando os relatos e fotos da viajem. abraços

Anônimo disse...

Esses caras esconderam isso da gente! E aquela estória do Circuito das Ilhas, Ronaldo? Também, deixa pra lá, eu não poderia ir mesmo. Alguém tem que trabalhar neste país. Bom pedal, boa aventura, boa viagem, meus amigos!
Abraços,
Luizão

Anônimo disse...

Que hermosa aventura...!!!
Parabens Amigos Bikessauros

Mucha suerte en toda la travesia
Un Gran abrazo

CASA LUCIANO E GINA disse...

SBoa sorte e muita aventuras aos amigossauros. Quando passerem por Petrópolis, abracem o Quitandinha.
Vulcano Luciano

Anônimo disse...

BOA SORTE PRIMOSSAUROS E PARABÉNS...ESTOY AÍ..

Reginaldo.

Anônimo disse...

Olha a hora da postagem !!! kkk ..mas não poderia deixar de fazê-lo.
no link com as fotos de hoje ..todas estão magníficas, mas a foto depois da igrejinha de Itacolomi em descida ....é d++++++
Parabéns pela sensibilidade... corpo e mente em conjunto com a Natureza.....

valeu Ronaldoooooooooo e Marcelinooooo

Reginaldo - Ciclovulcano

Anônimo disse...

Show de aventura, amigos jurássicos! Dá uma baita vontade de estar aí com vocês explorando esse magnífico caminho, testemunha estóica da nossa história...
As fotos estão sensacionais e aguçam ainda mais o desejo de estar presente neste eletrizante trip trail.
Abraços a todos. Vou seguir grudado no blog para não perder nada!

Rodrigo Silva

CicloTP disse...

O Marcelino é osso duro mesmo! Depois do trilhão da Volta Grande no domingo passado com a turma dos Bikelokos e CicloTP o cara já tá nesse magnífico caminho da Estrada Real! Parabéns e continuem com os relatos e fotos para podermos acompanhar!!

Anônimo disse...

Oi Ronaldo, Andreza e Marcelino

desejo a voces mais uma grande aventura, que tudo corra bem e que possam trazer muitas fotos bonitas e casos interessantes para nos contar.
Estarei acompanhando a aventura, .

Grande abraço
João batista

Anônimo disse...

Ronaldo.....estou com medo....rsrsr, bom depois da estrada dos diamantes, que venha a próxima subida, mas boa sorte e continua relatando que esta massa, boa sorte....

Davison ( Limeira S P )

Anônimo disse...

Grande Ronaldo e Marcelino. Vcs são do c´riscado mesmo.Muito boa sorte nesse pedal maravilhoso. Um abraço para Andreza tambem. Dos amigos vulcanos
Alexandre e Nice

Anônimo disse...

Passeio sensacional. Parabéns ao mano pelas ótimas e curiosas fotos. Aprendeu direitinho com o Moc (hehehe).
É isso ai, bikessauros contando a história de minas.
Abraços.
Marcelo Figueiredo

Silas disse...

Caríssimos Ronaaaaldo e Marcelino, o Destroçador: Que grande aventura! Que fotos instigantes! Hoje, sexta, previsão de 157 km! Acompanhamos dia a dia a evolução desse pedal, aguardando o dia todo os novos relatos e fotos! Quem dera pudéssemos acompanhá-los desta feita!

Anônimo disse...

Mais um dia maravilhoso de pedal, hein, amigos?! Deve estar eletrizante. Durante todo o dia a minha mente conduz-me ao Caminho Novo da Estrada Real... É, não tem mesmo jeito de não ficar ligado.
Abraço a todos e sigam firmes.

Rodrigo Silva

Anônimo disse...

Show, nao vejo a hora de chegar em Julho...para poder estar nessas trilhas e relatar tudo....estou me remoendo de inveja, mas boa sorte no final da empreitada e vai que Deus esta olhando por vcs, e o final´......aquela bela cervejinha no rio. Depois quero todos os dados dessa viagem.

Anônimo disse...

Opsssss, esqueci de por meu nome....o recado de cima é meu!!!!


Davison Limeira S.P

s disse...

Gratíssimo pela dedicatória. Realmente viajei com vocês, sem fazer força com as pernas (he, he, he). A cada dia olhava sol e nuvens e imaginava essa incrível pedalada. Com certeza estas imagens e sensações fazem parte de um filme que jamais deixarão de ver.

Anônimo disse...

Caros Ronaldo, Marcelino e Andreza, parabéns pelo brilhantismo, coragem e determinação de sempre. Fiquei emocionado agora, após a leitura completa dos relatos e a apreciação dos vídeos. Sensacional a viagem de vocês. De encher os olhos de qualquer um que goste de bikes, de história e de grandes amizades. Não quero perder mais nenhuma.
Abraços a todos.

Rodrigo Silva